Gurupi

Josi e Gleydson permanecem nos cargos, mas vão recorrer da decisão

Em nota, gestores informaram que recebem decisão judicial com "serenidade", mas que sentença deste sábado, 04, não possui efeito imediato

06/12/21 08:31:12 | Atualizado em: 06/12/21 12:48:24

Nada muda na Prefeitura de Gurupi mesmo após a decisão em primeira instância da Justiça Eleitoral que afastou a prefeita Josi Nunes (PSL) e o vice-prefeito Gleydson Nato (PDT). Em nota, os gestores informaram que permanecem na administração municipal. 

"A prefeita e seu vice vem a público esclarecer que recebem com muita serenidade a decisão de 1ª instância divulgada neste sábado, 04, e reafirmar que a sentença não possui efeito imediato. Portanto, permanecem prefeita e vice-prefeito de Gurupi", informa o comunicado. 

Segundo o juiz Nilson Afonso, da 2ª Zona Eleitoral do Tocantins, a sentença só vai poder ser cumprida depois que todo processo tiver seu trânsito em julgado, ou seja, após todos os recursos serem esgotados.

Os gestores municipais também informaram, via nota, que "todas medidas judiciais cabíveis já estão sendo providenciadas para reverter a sentença. Assim, reiteram seu compromisso com a população gurupiense que os elegeu democraticamente com a grande maioria dos votos. E, afirmam que seguem trabalhando com a mesma seriedade e comprometimento, certos de terem agido dentro da legalidade". 

Em ações relacionadas à Justiça Eleitoral, quem for condenado em primeira instância pode recorrer junto ao Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins, e posteriormente ao Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília.

Josi e Gleydson são acusados de irregularidades nas eleições de 2020. De acordo com o juiz foram observados condutas ilícitas por parte do governador afastado Mauro Carlesse durante a campanha de Josi. Entre elas, abuso de poder político mediante utilização de bens e servidores públicos, uso de veículos oficiais, pagamento de sites de notícias e distribuição de cestas básicas sem critérios objetivos e em ano eleitoral.

Se a prefeita de fato chegar a ser afastada, quem assume é o presidente da Câmara Municipal, cargo atualmente ocupado pelo vereador Rodrigo Maciel (PSL). 

Em sua decisão, a Justiça também determinou que os envolvidos fiquem inelegíveis, ou seja, Josi Nunes e Gleydson Nato ficam impossibilitados de ocupar cargos eletivos por oito anos a partir da campanha eleitoral de 2020.