Publicidade
Publicidade
Publicidade

MERCADO E TENDÊNCIAS

Por Lunna Dias

Coluna

15/07/21 11:32 | Atualizado em: 15/07/21 11:32

MERCADO E TENDÊNCIAS

Sua carreira jamais acordará de manhã e dirá que não te ama mais




"Algumas mulheres escolhem seguir os homens, e outras escolhem seguir seus sonhos. Se você está se perguntando em qual direção seguir, lembre-se de que sua carreira jamais acordará de manhã e dirá que não te ama mais.” Lady Gaga

 Essa frase da Lady Gaga me ajuda a dar luz ao tema que trarei hoje que é delicado e angustiante. Essa semana todos nós ficamos sabendo da agressão do tal DJ a sua esposa. Foram vídeos, informações chocantes e a indignação que consumiu cada um de nós. Eu particularmente não quis ver os vídeos das agressões, mas algo me chamou a atenção: a mulher dependia financeiramente dele e foi deixada completamente a mercê com apenas R$ 8,00 na conta. Estamos aqui discutindo esse caso, pois se trata de pessoas que estão na mídia e tem visibilidade, mas precisamos abrir nossos olhos para a realidade do nosso Brasil: existem mais Pâmelas por aí do que você imagina. Dependentes financeiramente, sendo agredidas verbal, física e psicologicamente e sem a menor chance de sair dessa situação sozinhas.
 As Pâmelas do nosso Brasil são nossas mães, irmãs, amigas que muitas vezes se silenciam, pois quem vai acreditar? O agressor nem sempre deixa sinais e “em briga de marido e mulher não se mete a colher” ditado popular criado num país machista como o nosso. Assim a violência continua e cresce chegando ao feminicídio e tornando o Brasil o 5 no ranking desse tipo de crime.

 Ah, mas por que isso e por que aqui? O Brasil ainda é um país em desenvolvimento e a desigualdade de gênero prevalece nas relações. O mercado de trabalho não recebe e nem remunera homens e mulheres da mesma forma. Até metade do século 20, os homens que assassinavam suas companheiras recebiam penas mais brandas alegando crimes passionais e defessa da honra. Se você nunca ouviu falar disso acompanhe como foi o julgamento de Doca Street que assassinou sua companheira Angela Diniz em 1976. Em 1976. Mulheres são "objetos", devem servir, se comportar e se submeter. Ai da mulher que não quiser ser assim. Até os pais criam as meninas para este “futuro”.

 O que podemos fazer a respeito disso? (Se você conhece alguma mulher que está sofrendo violência oriente-a a ligar para o 180).
 E para evitarmos que isso aconteça conosco só existe um caminho: a independência financeira. Uma mulher com independência financeira se sente mais livre para fazer escolhas. Claro que não posso ser hipócrita de dizer que esse caminho é fácil, porque não é. Muitas mulheres saíram de uma situação de opressão com seus pais para cair na opressão de um marido e, não tiveram, a oportunidade de se qualificar para o mercado de trabalho. Mas eu realmente não quero propor o mercado de trabalho, pois eu sei que para a maioria das mulheres seria inviável ficar 8 horas por dia (sem contar o transporte) longe de casa.

Quero propor o empreendedorismo. Não o empreendedorismo contos de fadas que pregam por aí, mas aquele por pura necessidade. Aquele que ajudou que minha mãe com apenas a sexta série se livrasse de um casamento abusivo com nosso pai e nos permitisse ir embora. Esse empreendedorismo sem nenhum glamour, KPIs, sistemas de vendas, CRM, etc. Minha mãe pegou dinheiro emprestado e começou seu negócio rumo a independência. E assim, eu aprendi que se eu tivesse independência financeira não passaria por aquela situação. E assim foi.

Bom, mas o meu objetivo com esse artigo é alcançar o maior número de mulheres que precisem dessa mensagem e que não consigam enxergar uma luz na situação em que estão vivendo (mulheres, vocês merecem ser felizes):
1 Vamos definir no que você vai empreender. Pense em algo que você sabe fazer muito bem e/ou goste muito. (Pode ser uma comida, crochê, artesanato, vender, escrever…). Todos nós sabemos fazer algo muito bem e você só precisa pensar a respeito.
2 Agora você vai conseguir um pequeno investimento para fazer seus primeiros produtos. Se você não tiver alguém para pegar emprestado, venda algumas coisas que você tem num bazar (pode ser roupa, móveis, coisas de criança…).

3 Abra uma conta no Instagram ou poste na rede social que você já tem o seu primeiro produto e diga as pessoas que precisa de ajuda para divulgar. Posso garantir que seus amigos/família vão ajudar fazendo encomendas ou divulgando.
4 Acompanhe pessoas nas redes sociais que falam sobre o que você está fazendo (tem muito conteúdo gratuito que vai te ajudar a chegar onde você quer mais rápido).

Reinvista o dinheiro e recomece o ciclo.
Claro que não vai ser fácil em alguns casos, mas foca no seu objetivo (fácil mesmo só miojo quando feito no microondas ainda por cima). Visualiza sua liberdade. Sonhe com seu novo futuro. Reinvista o dinheiro nos produtos, em você até atingir a excelência.
Mulher, você não nasceu para sofrer, não nasceu para se submeter ao que não quer, você NASCEU PARA SER FELIZ! Lembre-se: INDEPENDÊNCIA. Conte comigo!

Sucesso a todas!

Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora
Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.
Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.
Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.
Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no https://www.instagram.com/lunnadiasmais
Para informações sobre o meu curso online acesse http://lunnadias.com.br/
 

27/05/21 13:15 | Atualizado em: 27/05/21 13:15

MERCADO E TENDÊNCIAS

Opinião não paga boleto!


 Sou constantemente abordada nas redes sociais por pessoas que vivem o desconforto de não fazerem aquilo que querem fazer com receio da opinião e críticas de terceiros. Como pessoa que aprendeu a duras penas sobre isso resolvi compartilhar minha experiência por aqui.

 Vamos ao problema: o povo brasileiro, em sua maioria, quer muito que os outros gostem dele. Muitas vezes essa necessidade de aprovação se sobrepõe até resultados pessoais e empresariais. Brasileiros fazem amigos por onde passam.

 O preço para que todas as pessoas gostem de você é um pouco caro, na minha reles opinião. Você deve buscar agradar as pessoas, se omitir de diversos assuntos e até contar "mentirinhas leves" para agradar a galera.

 Por que eu acho caro? Além de eu preferir trabalhar com a verdade mesmo que seja dura, para agradar o outro o tempo todo, você deve se desagradar o tempo todo. Isso mesmo! Os objetivos das pessoas que você quer agradar, quase sempre sempre, não serão os seus objetivos.

 Além disso, faço uma provocação. Se nem você gosta de todo mundo, por que raios, quer que todo mundo goste de você? Bizarro, né?
 Mas eis que você quer empreender ou quer fazer alguma mudança no seu negócio e aí você conversa com quem? Com as pessoas que você gosta! Algo errado nisso? Não. Só o fato de que elas estão com os mesmos medos e, provavelmente, sem a menor condição de te dar um feedback real.

 Aí você recebe opiniões aleatórias que não te ajudam em porcaria nenhuma. Mas fomos educados para sermos amiguinhos, gostar das pessoas e fazer com que elas se sintam bem pra gostarem de nós.

 Você faz um storie divulgando seu novo negócio e chegam mensagens dos amiguinhos parabenizando e de outros amiguinhos falando para ter cuidado. Mas como todo mundo é legal, como diferenciar?

 Para de ouvir opinião aleatóriaaaaaa? Essas opiniões não ajudam você a pagar nenhum boleto. Apenas pare já! Você tem um negócio e quer ter resultado escute pessoas que já atingiram o resultado que você quer atingir. Não conhece essas pessoas? Procure-as, persiga-as kkkk.

 Mas Lunna, tem que ser pessoas com a experiência exatamente igual ao que eu quero fazer? Elas tem que ter experiência, fim. Mesmo que você converse com alguém maduro em algum outro aspecto, se ela não tiver feito o que você pretende fazer vão ser só palpites.

 Vamos lá! Hoje vou ser prática com apenas 2 dicas e 1/2:

1.Tenha mentores! Para te dar conselhos sábios e não opiniões aleatórias. Estamos falando aqui de ideias para ação e não de opinião. Com o advento das redes sociais nosso acesso a qualquer pessoa do mundo ficou mais fácil.
Um mentor não necessariamente precisa ser através de um programa de mentoria. Eu tenho vários que me dão conselhos via direct ou caixinha de perguntas. E são vários justamente porque ninguém é bom em tudo, cada um no seu quadrado.

2.Participe de grupos de empreendedoras. Não precisa ser de mil grupos, eu mesma só participo de 2. Trocamos experiências, compartilhamos angústias e o mais importante nos apoiamos. Nesses grupos você entende que tem mais pessoas passando pelo que você passa e aquelas que já passaram podem contribuir.

3.Escute quem gosta de você de verdade, mas com filtro. Lembre-se que essa pessoa se preocupa, não sabe o que é fazer o que você faz e, provavelmente, falará algumas besteiras. Filtre! (essa é a meia dica kkk).
Lembre-se você tem um negócio. Opinião nenhum paga boleto. Agora uma ideia ou conselho que você transforma em ação tem grandes chances de resolver seus problemas e virar faturamento.

“Não aceite críticas construtivas de quem nunca construiu nada!”

Apenas aja e fique muito rica! Sucesso a todas!

Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora

Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.
Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.

Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.

Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no https://www.instagram.com/lunnadiasmais
Para informações sobre o meu curso online acesse http://lunnadias.com.br/
 

19/05/21 15:41 | Atualizado em: 19/05/21 15:41

MERCADO E TENDÊNCIAS

Você deixa para amanhã e, daqui a pouco, deixa para o ano que vem!




Uma manifesto sobre a procrastinação

 Não sei se eu poderia chamar de artigo ou de desabafo tudo que vou falar aqui, mas percebam que há em mim indignação. Nos últimos dias tenho refletido muito sobre a quantidade de mulheres incríveis que conheço, mas que sempre deixam seus sonhos e projetos para depois.

 São mulheres com ideias empreendedoras claramente de sucesso, mas que por alguma razão deixam passar ou demoram demais para executa-las. E, claro, eu sei que tem o fator cultural e que só muito recentemente ganhamos um pouco mais de voz.

 Eu não quero falar do fator cultural, mas, também, não posso deixar de dizer que ele está impregnado em tudo. A submissão que nos foi ensinada, não se resume a maridos e companheiros, vai além. Precisamos cuidar dos outros, mesmo que isso represente não cuidar de nós mesmas.

 E assim, antes de abrir o meu negócio ou dar um passo maior na minha empresa eu preciso cuidar de tanta gente que quando chega a minha vez ufa! estou exausta. Eu preciso compreender as necessidades de todos, mas quem compreende as minhas?

 Então vem a culpa e o medo. Mesmo as empreendedoras de maior sucesso precisam lidar com o medo de agir e a culpa por agir. Ora, quando eu me coloco como prioridade, consequentemente, coloco o outro em segundo plano. Aí claro rola culpa e medo do julgamento. Afinal, o plano era cuidar do outro e não de mim.
 Enfrentar isso não é fácil. Pois durante muito tempo muitas mulheres se diminuíram para caber nos mundos pequenos de outras pessoas. E olha só, elas vem mostrando que são incríveis, (e que não cabem mesmo nesses mundinhos pequenos) eu mesma tenho convivido com várias delas.

 Mas eu cheguei até aqui e apenas expressei minha indignação. Eu preciso contribuir de alguma forma já que decidi me “manifestar”. E se vocês tiverem percebido bem não costumo me envolver em situações em que eu não posso ver os resultados rápidos (por isso minha solução proposta aqui não envolverá a cultura que estamos submetidas).

 Cada mulher enfrenta as vicissitudes dessa cultura arraigada dentro dos seus lares. Muitas vezes o opressor nem está do lado de fora desse lar, pode até estar do lado de dentro. Uma mulher incrível que decide empreender terá sucesso, dinheiro e poderá fazer o que quiser da vida sem depender de ninguém. Ferrou!
 A história do empreendedorismo entre as mulheres está muito mais associada a sobrevivência e até a liberdade. E hoje, também, a liberdade de cuidar da família e de ter uma vida mais equilibrada (o que não é possível no mercado de trabalho e seus relógios de ponto).

 E aqui chego a 3 contribuições para as mulheres que empreendem:

1-Se conheça muito bem! Você vai precisar disso não só pelo equilíbrio de organizar o negócio e a família, mas também para enfrentar as inúmeras dificuldades de empreender que são maiores para as mulheres (desculpa, mas é verdade). Estude, leia, faça cursos, esse equilíbrio não vem por osmose. Autoconhecimento = autoconfiança.

2-Faça! Simplesmente comece a fazer mesmo que em pequenas etapas, mesmo que 20 minutos por dia, mas faça! O sentimento de realização não tem preço. E fisiologicamente seu cérebro vai liberar dopamina que vai fazer você se sentir bem só de imaginar o resultado.

3-Se junte a outras mulheres com os mesmos objetivos. Isso mesmo! Se o opressor pode estar perto cerque-se de mulheres que levantam outras mulheres, você vai ver como ajuda estar nesses grupos e dividir angústias e alegrias.

 O fato é que se você não faz hoje, pode deixar para amanhã, para semana que vem e daqui a pouco já passou 1 ano. Procrastinar seus sonhos pode se tornar um hábito. Você não veio aqui para isso, certo?
 Independente do que você acredite, tenho certeza que a vida foi feita para ser vivida e aproveitada com prazer e felicidade. Sonhar e não realizar, foge disso.
Mulher, você não nasceu para sofrer, nasceu para ser feliz! Lunna Dias

Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora
Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.
Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.
Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.
Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no https://www.instagram.com/lunnadiasmais
Para informações sobre o meu curso online acesse http://lunnadias.com.br/
 

12/05/21 15:23 | Atualizado em: 12/05/21 15:23

MERCADO E TENDÊNCIAS

Feito é melhor que perfeito: o que não quer dizer mal feito!








 Com certeza você já ouviu a frase: FEITO É MELHOR QUE PERFEITO! Para pessoas focadas na ação a frase é uma verdade absoluta. Para as pessoas perfeccionistas a frase é quase um insulto. Já ouvi os dois lados e vou expor os argumentos de ambos.

 Existe uma parcela mínima da população que é executora, fazem mesmo que isso custe a eles sangue, suor e lágrimas. É melhor fazer logo e corrigir/melhorar no caminho, mas é preciso fazer, É PRECISO COMEÇAR. Erram muito, mas estão sempre fazendo e, acertam, também.

 Os perfeccionistas planejam tudo nos mínimos detalhes, esperam as condições ideias. Uma frase comum seria: se não é pra ser perfeito é melhor nem fazer. E assim, de fato, não fazem diversas coisas por não conseguirem atingir a perfeição.

 Antes de qualquer coisa, não estou de nenhum lado e pra ser bem precisa estou no caminho do meio. Não vejo vantagens em fazer algo sem um mínimo de planejamento, mas com esse mínimo já dá para começar. Por isso o título, feito, é sim, muito melhor que perfeito, o que não quer dizer que tem que ser mal feito (de novo o caminho do meio).

 Coisas feitas sem um mínimo de planejamento podem custar muito mais do que ficar sem fazer. Assim como algo ficou perfeito antes de começar, provavelmente, está começando tarde demais.

 Feito é melhor que perfeito quando a outra opção é não fazer. E aí chego nos procrastinadores. Eu deixo de fazer com a nobre justificativa que não tenho as condições ideais. Consequentemente, não enfrento a possibilidade de fracasso. Se ligou no fio?

 O medo do fracasso e o medo dos que os outros vão dizer impedem a ação. Sobre o fracasso tenho péssimas notícias, quanto mais você age, mais você fracassa, mas mais você acerta também. Quem não fracassa provavelmente não está tentando nada.

 Sobre o medo do que os outros vão dizer, devo te dizer que as pessoas estão se lixando para você. Isso mesmo! Se elas falarem vão falar por 5 minutos, compensa? Além do que, só identificamos no outro aquilo que está em nós mesmos: não será você uma pessoa que critica duramente (mesmo que mentalmente) os fracassos dos outros?

 Bom, mas o que eu faço para superar? Vou te falar com base na minha experiência como parto para a ação.

1.Se desapegue do erro. Errou? Tá errado e não se erra mais nisso. Sorria do seu erro, não seja tão dura com você. Sabe quantas pessoas estão contando quantas vezes você fracassa? UM TOTAL DE ZERO. E sobre o que os outros vão dizer? Faça como eu, não ligo pra ninguém e, assim, ninguém liga pra mim também kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

2.Planeje basicamente e informalmente o que quer fazer. Prós e contras rápidos, o que fazer em cada possível situação de erro. O que você vai precisar se a situação x acontecer.

3.Não dá para fazer sozinha? Convoque ajuda sem medo de ser feliz. Pode ser de pessoas próximas ou pode contratar alguém. Mas se viu que não dá pra fazer sozinha, não pense que você é diferente (olha o Ego). Delegue, ensine, desenhe e as pessoas poderão te ajudar.

4.Enquanto o projeto acontece use ferramentas de organização e planejamento (pode ser um quadro, uma cartolina ou um aplicativo). Você precisa visualizar o que está acontecendo. Lembra dos policiais nos filmes com fotos, mapas e etc sobre os crimes na parede? É isso.

5.Como saber se estou no caminho certo? Faça avaliações, mas se envolver clientes não abra mão de uma pesquisa de satisfação.
De qualquer modo, o que vai te manter no mercado é buscar melhoria contínua SEMPRE. Lembra do primeiro iPhone? Não era perfeito e tinha vários bugs que foram sendo corrigidos ao longo do caminho. O que faz a Apple ter fãs? Sabemos que o próximo Iphone será melhor.
“A perfeição é uma montanha impossível de escalar que deve ser escalada um pouco a cada dia”. Código Samurai

Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora
Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.
Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.

Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.

Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no https://www.instagram.com/lunnadiasmais
Para informações sobre o meu curso online acesse http://lunnadias.com.br/





 

06/05/21 13:49 | Atualizado em: 06/05/21 13:49

MERCADO E TENDÊNCIAS

O caminho para sair de EUPRESA para EMPRESA


 Já falei em artigos anteriores sobre como a empreendedora ao iniciar sua trajetória continua trocando horas por dinheiro (EUPRESA). Nesse momento, ela tem um negócio, algo que fatura e até dá lucro, mas que depende única e exclusivamente dela para que isso aconteça.

A passagem de negócio para empresa se dá quando o faturamento e o lucro não dependem dela, ou seja, a empresa roda sozinha com as pessoas, os processos e os produtos. Há alguns dias iniciei a seguinte reflexão: É possível faturar 1 milhão empreendendo sozinha?

E cheguei a algumas conclusões. A primeira é que ainda não encontrei um negócio onde a empreendedora sozinha, sem delegar nada consiga faturar esse valor. A segunda é que há alguns negócios que não conseguem nem chegar a casa dos dois dígitos com a empreendedora sozinha. Chocante, não é mesmo!?

Mas não sou de lançar problemas sem propor soluções então vamos lá. É perfeitamente NORMAL e NATURAL que no início a empreendedora faça tudo sozinha. Por inúmeras razões isso é muito bom, mas para mim, a principal, é a capacidade de delegar e treinar será muito melhor.

Esse processo de empreender sozinha ele pode e deve durar alguns meses, mas deve ter data para encerrar. Pois além de ser impossível conseguir fazer tudo sozinha se o negócio estiver em ascensão, não é nenhum pouco lucrativo para essa ascensão.

E por que, então, muitas empreendedoras passam anos fazendo tudo sozinha? Razões como achar que ninguém fará igual, ou que fará melhor, ou que não terá o que fazer, etc. Mas as principais razões são: MITO DO TRABALHO DURO e ECONOMIA BURRA.

Sucesso vem com S de sofrimento e se você não trabalhar sofrendo significa que não terá o sucesso almejado. Dá pra perceber que discordo, não é? A economia burra é do simples fato de muitas empreendedoras não fazerem contas simples e óbvias. Quanto vale a minha hora? Quantas horas vou despender nessa atividade?
Se a sua hora vale 100,00 e você gastará 3 horas na atividade, você na verdade gastará 300,00. Se existe um profissional que faz isso por 150,00 já vale a pena. Principalmente porque ele será expert naquilo e fará muito melhor do que você.

Vamos aos passos para sair de EUPRESA para EMPRESA:

1. Definir o valor da sua hora. Você era paga por hora quando era CLT, agora precisa saber quanto vale a sua hora. Nesse momento, a conta mais fácil seria dividir o lucro (resultado após retirar despesas e custos) e dividir pela quantidade de horas que trabalha no mês.

2. Quais são as atividades chave do seu negócio? Atividades fim são exatamente essas atividades que geram o faturamento. Há muitas atividades que podem ser feitas por qualquer um, mas há aquelas que só você pode fazer e que aí assim a empresa fatura. Pense numa dentista ou cabeleireira que trabalham sozinhas.

3. O que faço com as atividades que não são chave? Plano de delegação. Distribua essas atividades entre outras pessoas, acompanhe e faça feedbacks. Aproveite de pessoas que são experts em suas áreas para lhe dar feedbacks de como fazer essas atividades de uma forma melhor.

Delegar não é mandar, é dar condições para que a pessoa possa fazer e inovar. Além disso, o objetivo principal é que com o tempo que você ganha delegando aquela atividade, você pague a pessoa que está fazendo e produza muito mais lucroooo.

Eu acredito muito que o modelo tradicional CLT, 44 horas semanais está com seus dias contados. Além de um formato muito ultrapassado, preciso reforçar. Viveremos uma época com muito mais trabalho e muito menos emprego. Então encontraremos assistentes virtuais, free lancers que podem fazer atividades para fazermos outras.

Você começou a empreender para ter liberdade e se não delegar, essa liberdade nunca chegará. Você começou a empreender para ganhar mais dinheiro, se não delegar em breve chegará a um limite.

"Concentre-se naquilo que você é bom, delegue todo o resto. Steve Jobs (depois você precisará delegar o que é bom também, mas esse assunto não é pra agora rsrsrs).

Sucesso a todos!

Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora
Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.
Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.

Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.

Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no https://www.instagram.com/lunnadiasmais
Para informações sobre o meu curso online acesse http://lunnadias.com.br/
 

29/04/21 15:39 | Atualizado em: 29/04/21 15:39

MERCADO E TENDÊNCIAS

Quero empreender, mas não sei por onde começar!


 Comece por aqui!

 Antes de mais nada, vou desconstruir alguns mitos que giram em torno do assunto EMPREENDEDORISMO. Em primeiro lugar, empreender não é para todo mundo! Isso mesmo e TÁ TUDO BEM. Algumas pessoas simplesmente não têm vontade de empreender e/ou não tem o perfil para isso.

 Em segundo lugar, pessoas que buscam empreender porque estão cansadas de trabalhar muito, tenho péssimas notícias. A ideia de ser “o próprio chefe” não é tão romântica quanto parece. No início do seu negócio, você vai trabalhar muito, muito mesmo. E claro, se você se organizar no futuro você trabalhará menos, mas no início…

 Em terceiro lugar, você não vai ganhar MUITO DINHEIRO RÁPIDO. Há casos e casos. Depende de muitas coisas, mas eu já vi negócios que demoram meses, quiçá anos até começarem a dar lucro. E já vi outros que foram rentáveis desde o primeiro dia.
 O mais importante é que você entenda que não existe fórmula mágica, mas existem formas de fazer isso acontecer de uma forma mais leve e mais bem sucedida e, é sobre isso que falarei.

 Quando comecei a empreender eu de fato só sabia que queria fazer algo diferente. Fui muito privilegiada porque na época que comecei mesmo não tendo dinheiro, eu também não precisava muito de dinheiro hahahaha. Eu morava com a minha mãe e não tinha nada para pagar, ou seja, nada a temer ou perder.
 Eu tinha lido um livro com algumas dicas e lembro bem que foquei em uma delas: fechar contratos fixos com clientes para garantir o faturamento. E assim fiz: tive 1 único cliente por 6 meses e, logo em seguida, vieram os outros.

1.E aqui então começo o primeiro passo para você que quer empreender: O QUE VOCÊ VAI VENDER? Mesmo que seja um profissional formado em alguma área irá vender um serviço. Isso precisa estar muito claro. PARA QUEM VOCÊ VAI VENDER? É super importante antes de largar tudo em busca do seu sonho de empreender verificar que o que você vai fazer É VIÁVEL e se tem alguém que vai comprar.
A ideia pode ser maravilhosa para seu Ego, mas se ninguém se interessar você perdeu tempo e dinheiro. Faça testes antes, verifique se tem público. As Startups chamam de MVP MÍNIMO PRODUTO VIÁVEL, uma versão do seu produto de forma simples, mas que possa ser testada.

2.Caso você não fature no primeiro mês o que você vai fazer? E se não faturar nada no primeiro ano? E aqui entra o planejamento antes de começar. Ter uma reserva para você se manter e viver até que o negócio dê certo. No meu caso eu não tive essa reserva, mas como disse morava com minha mãe e não tinha contas, além de conseguir fechar um contrato fixo de 1 ano com o primeiro cliente.

3.Caso você fature muito nos primeiros meses o que você vai fazer? Eu e a humanidade recomendamos que você reinvista esse dinheiro na empresa. Não saia comprando carros caros, se achando “o rico”, vai por mim!
Faça investimentos para o negócio crescer, por exemplo estudando, se aprimorando, melhorando seu produto, aumentando seu estoque, contratando pessoas. O investimento deve retornar em maior quantidade, pense nisso.

4.Tenha a apresentação pessoal da empreendedora de sucesso que você quer ser e não da que você é agora. Explico melhor, se vista e se apresente com impacto. Se você é cabeleireira, seu cabelo deve ser impecável. Se você faz apresentações para os clientes deve se vestir de modo impecável. IMAGEM NÃO É TUDO, MAS DIZ MUITO.
Seu visual, vestimentas, redes sociais, portfólio, email e etc comunicam sobre você e chegam antes do seu conteúdo e de saberem sua qualidade. Analise criteriosamente o que está comunicando. A imagem não é tudo, mas ela chega primeiro e uma primeira impressão é muito difícil de mudar.

5. FLUXO DE CAIXA é como sangue, se você não tem você morre. Valorize os números mais do que as métricas da vaidade. Os números não enganam. Faça a formação de preços de forma adequada. Entenda o que são custos e o que são despesas.
Separe as suas contas pessoais das contas da empresa. Determine sua retirada e viva como você vivia quando era colaborador. Pensa assim: Quanto tempo sua empresa fica aberta se não faturar? Como vai ter estoque se não tem dinheiro em caixa?

6.Invista no seu marketing. Se tem um arrependimento que tenho é de ter demorado a investir no marketing. O meu marketing com os clientes era bom e eles me indicavam, com isso eu me acomodei com essa forma de “captar clientes”.
Já hoje em dia você não consegue sobreviver só com indicações. Precisará ter site, blog, Linkedin, Instagram, mas não apenas por ter e postar de forma aleatória. Você deve ter uma estratégia de atração e de captação desse público.

7.Enquanto colaborador você tem um líder que te guia, te traz de volta, te direciona e faz com que você bata suas metas sempre. Enquanto empreendedor você é o seu líder. E tudo que você é irá refletir nos seus clientes.
Um cliente não será tão “fofo" quanto seu líder é para falar da sua desorganização e da sua falta de disciplina. Dependendo do caso ele nem fala, apenas deixa de ser seu cliente. Cliente não espera. Cliente não aceita desculpa e muito menos justificativa. Você está preparada para isso?

8.A propósito, peça sempre feedback aos seus clientes e busque sempre melhorar. Aquilo que os deixa satisfeitos é um guia do que está dando certo, assim como aquilo que eles não estão satisfeitos.

9.E se nada disso der certo? Bom, esteja pronto para pivotar sem ego nenhum. Lembre-se: MUITO RISCO, POUCO EGO. Pode ser que seu negócio não se mostre viável. Não tenha medo de desistir dele, mudar a rota, o importante é não insistir em algo que já mostrou que vai dar dor de cabeça e prejuízo.
O mais importante é você analisar seu PORQUÊ e fazer um plano de ação bem organizado de COMO vai realizar seu sonho de empreender. Lembre-se: “Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente. Quem sobrevive é o mais disposto à mudança” – Charles Darwin

Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora
Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.
Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.
Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.

Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no https://www.instagram.com/lunnadiasmais
Para informações sobre o meu curso online acesse http://lunnadias.com.br/

 

20/04/21 14:46 | Atualizado em: 20/04/21 14:46

MERCADO E TENDÊNCIAS

Delegar é escalar!


 Escalar é faturar enquanto você dorme e, se tudo for feito de modo correto, o resultado é um negócio com mais lucro. Minha mensagem aqui é, principalmente, para aquela empreendedora que ainda trabalha sozinha e tem dificuldade de ir para o próximo nível.

 O que acontece com a empreendedora que ainda trabalha sozinha é que ela trabalha bem mais do que quando era CLT, mas também ganha mais. E por um tempo ela acaba se acostumando com a rotina puxada e praticamente nem pensa em transformar seu negócio em empresa (faturar sem depender dela).

 Aí ela não tira férias e chega uma hora que o negócio estagna. Pensa comigo no exemplo de uma cabeleireira. Ela trabalha sozinha e fica com a agenda cheia. Faturar mais, nesse caso, significa sacrificar mais horas do dia para atender clientes. Vai chegar que uma hora você não tem mais horas disponíveis e isso não se torna mais viável. Qual a diferença disso para quando você era CLT?

 A diferença é que no dia que ela não trabalha ela, também, não fatura. O negócio é completamente dependente dela. Com sinceridade, foi isso que você imaginou quando começou a empreender? Com certeza, não!

 Além disso, depois de meses trabalhando assim o ser humano se torna estressado, cansado e o resultado é que o trabalho começa a ficar mal feito e desorganizado. Estresse mata. Mas antes disso ele adoece muito e adeus negócio.

 Se tudo isso é óbvio, porque ainda encontramos pessoas que durante anos trabalham dessa forma e nunca se tornam uma empresa lucrativa?

Eu tenho 4 hipóteses:

1-Temos que ser SUPER MULHERES! Sim, já me disseram várias vezes que as mulheres tem que dar conta de tudo (casa, marido, filhos, etc). Essa crença então foi levada para os negócios.

2-Ego domina. Nesse caso o pensamento é: eu faço tão bem, será que conseguirei que alguém faça como eu? SIM e NÃO. Pode ser que no início quem assumir possa não fazer tão bem quanto você, mas em breve ela poderá fazer até melhor que você. Não sofra.

3-Apego. Mas eu gosto tanto de ser cabeleira! Uma líder forma novas líderes. Ensine suas cabeleireiras contratadas a serem tão boas quanto você!

4-O que eu vou fazer agora se eu delegar? Tenho que te contar que tem muita coisa para fazer: planejar novos negócios, inovações, marketing, clientes, escala…ufa!

 Você já entendeu, mas está me dizendo que não tem como pagar alguém ainda para delegar atividades. E eu te digo: vivemos uma época de muito mais trabalho e muito menos emprego, como você já percebeu. Delegue para Free Lancers, assistentes virtuais, empresas que fazem aquele tipo de serviço… Saia da caixa. Eu mesma tenho uma rede de pessoas que me ajudam hoje, alguns deles eu nem conheço pessoalmente e nenhum deles é CLT.

 Bom, mas eu não poderia deixar de mencionar que para você delegar você precisa ser organizada hahahaha. Desculpa! O mínimo necessário, mas vai precisar ser organizada se não a bagunça só muda de lugar. Use ferramentas com seus colaboradores: Trello, Google Agenda, etc. O objetivo e o que ele deve entregar deve estar claro para ele.

 Segura esse exemplo. Colaboradores do McDonald's não devem servir batatas murchas aos clientes. Mas ora bolas o meu conceito de murcha é, provavelmente, diferente do seu. Como resolver isso? Simples. 7 minutos é o tempo que as batatas podem ser servidas. É UM PROCESSO. O conceito de 7 minutos é igual para todo mundo, o de murcha não.

 Você pode usar as perguntas abaixo para deixar claro o que quer delegar:
O que precisa ser feito?
Por que precisa ser feito?
Quando deve estar pronto?
Como deve ser feito? Aqui eu sugiro que se não houver um como específico você pode pedir sugestão de quem vai fazer. Principalmente se o expert naquela atividade for ele e não você.

 Foque no que vai fazer seu negócio crescer e delegue todas as outras atividades. Vamos escalar esse negócio, mulher?

Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora
Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.

Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.

Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.

Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no https://www.instagram.com/lunnadiasmais
Para informações sobre o meu curso online acesse http://lunnadias.com.br/



15/04/21 13:12 | Atualizado em: 15/04/21 13:35

MERCADO E TENDÊNCIAS

Por que algumas empreendedoras nunca têm tempo - e como você pode ser diferente!




Antes de qualquer coisa preciso relembrar como é cool estar sempre “ocupada”, “corrida”, "sem tempo para nada”. A nossa sociedade simplesmente glamoriza essa correria tola. E eu vou te mostrar que ela é tola ao longo deste artigo.

 As empreendedoras que estão nessa correria têm a crença de que precisam ser SUPER MULHERES e dar conta de tudo (crença essa presente na nossa sociedade). A imagem que vejo é uma mulher correndo pegando diversas peças de um quebra-cabeça, mas quando ela vai montar simplesmente não forma imagem nenhuma.
 Porquê ela pegou uma série de peças aleatórias. Ela pegou várias peças que não eram do quebra-cabeça dela. Ela pegou peças desnecessárias e pouquíssimas necessárias. E aí temos SUPER MULHERES cheias de afazeres e frustradas porque não conseguem ver o resultado de tanto esforço.
 Por fora é CNPJ, mas por dentro ainda tem um pouquinho de CLT. Na época de CLT quando nos perdíamos uma hora nossos chefes nos achavam rsrsrs. Tinha alguém para nos ajudar a recuperar o foco. As atividades operacionais eram planejadas por alguém.

 Muitas empreendedoras dirigem negócios trabalhando completamente só o operacional. E por diversas razões por algum tempo isso dá certo sim, mas não dura. Ser operacional é dar tiros muito bons, mas ser estratégico é analisar se você deve entrar em guerra. E você está aí atirando para todos os lados.

  Você só vai ter tempo e seu negócio só vai crescer quando você focar em um pequeno número de atividades que faz você ESCALAR. E eu garanto que essas não são atividades operacionais. Aprenda a diferença entre atividades REPETITIVAS e atividades de CRESCIMENTO.
 Minha proposta para resolver tudo isso se chama: PLANEJAMENTO INFORMAL. Digo informal para não assustar, pois as pesquisas mostram como os brasileiros com seu “jeitinho brasileiro” têm pavor de planejamento.

O planejamento informal vai se dar nos seguintes passos: 

1.Defina sua META, OBJETIVO onde quer chegar. EM NÚMEROS, POR FAVOR. Faturar X reais, ter Y de lucro e por aí vai

2.Quais são as atividades para atingir essa meta? Faça a lista.
3.Dessa lista tire aquelas atividades que você vai delegar (você pode até fazê-la muito bem, mas se pergunte: é uma atividade repetitiva ou de crescimento? Se for repetitiva, nem tem conversa, delegue).
4. Há atividades com prazo? Coloque num calendário, alarme do celular, do computador, mas registre.
5.Use ferramentas para evitar que sua cabeça fique cheia de “laços abertos”. O conceito que emprestei do David Allen são aquela série de coisas que você fica tentando se lembrar ao invés de simplesmente registrar em algum lugar. ESQUEÇA LEMBRANDO, registre.
6. Controle seu tempo. Quando você era CLT tinha uma hora de ir embora do trabalho, defina seu horário também.
7. Se tem que fazer, tem que fazer! Tem coisas chatas que você precisará fazer? Sim, mas simplesmente faça.
Após tudo isso você vai sentir sua mente como água, tranquila e calma, pronta pra criar e inovar. Minha mente ultimamente está como água e eu te digo que é uma das melhores experiências da vida. Experimente também.

“Quando você se encontrar dentro de um buraco pare de cavar”. Will Rogers


Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora
Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.
Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.
Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.
Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no https://www.instagram.com/lunnadiasmais
Para informações sobre o meu curso online acesse http://lunnadias.com.br/ 


01/04/21 15:20 | Atualizado em: 01/04/21 15:20

MERCADO E TENDÊNCIAS

Como se motivar apesar das circunstâncias?


Se pensarmos em motivação apenas como entusiasmo e autoconfiança, teremos a certeza que, nesse momento, se motivar tem sido um dos nossos maiores desafios. O mundo, e principalmente, o nosso país enfrentam dificuldades que fogem ao nosso controle.

E mesmo que não seja possível estar motivada todos os dias, saber como recuperar a motivação já ajuda muito. Afinal, quando tudo isso passar o importante é que tenhamos menos consequências possíveis e, isso só é possível, se continuarmos a fazer o que precisa ser feito. Nossos negócios e empresas precisam continuar.
Mas a notícia boa é que motivação não é só entusiasmo, envolve uma série de elementos que permitem a construção dessa motivação. O primeiro deles é o porquê, o propósito. Muitas vezes o desanimo toma conta porque você está fazendo algo que não parecer não ter nada a ver com o resultado final. Lembre-se: você não está construindo uma parede, mas sim, fazendo uma catedral.

Além disso, persistir apesar dos pesares é fundamental. Deixar de fazer só aumenta a quantidade de problemas que você terá lá na frente. E a meta é ter menos consequências possíveis. A satisfação com o que você tem mesmo que ainda falte algo, também é motivação.
Pessoas motivadas tem vontade de jogar tudo para o alto, mas elas lembram que são elas mesmas que vão ter que recolher a bagunça jogada kkkk. Então elas adiam a satisfação. Está “chato” agora para ficar melhor depois quando tudo estiver concluído.

Além disso, não dá para ficar motivada se você está sobrecarregada, além de estar fazendo as tarefas erradas. Sim, empreendedoras tem a crença de que precisam fazer tudo e sofrer para ter resultado e não é bem assim. Aquilo que você não faz bem e não quer delegar se torna um tormento quando você está desmotivada.

O que fazer então? Separei 7 dicas (quase mantras) para você revisar sempre que a falta de motivação estiver presente.

1-Relembre seu porquê. Qual foi a razão que fez você abrir esse negócio? Essa razão é o que te move, faz seu coração bater mais forte e é um sonho. Não perca seu propósito.

2-Persista! Palavra vazia se eu não te explicar como. Visualize o resultado. O que você vai ter quando terminar? Não consegue tente fazer pelo menos mais 1 pouco, mais 1 hora. No final do dia é melhor ter finalizado 3 de 10 coisas do que zero.

3-Faça uma pausa. Às vezes realmente não dá para continuar aquele dia, então o melhor é para mesmo, você não vai ser produtiva. Tira algumas horas para fazer algo que goste e pensar nas suas conquistas até aqui.

4-Tenha metas diárias registradas. Tudo que está “apenas na sua cabeça” está solto. Você acredita que não fez nada, mas fez 18 coisas, se estiver registrado fica mais fácil de saber. O cérebro sente satisfação em riscar tarefas feitas de uma lista.

5-Analise suas atividades. Se sente tédio é porque não é desafiador. Se sente ansiosa é porque está além das suas capacidades. Não se apoquente em delegar. Tem alguém que ama planilhas, mas tem pavor de falar com pessoas, assim como tem pessoas que amam o contato com o público e tem pavor de planilhas. TÁ TUDO BEM, nos dois casos. Cada um no seu quadrado.

6-Foca no resultado. Visualiza. Eu vou além e fiz um quadro na frente da minha mesa com fotos e imagens dos meus objetivos. Acredite, empolga!

7-Não seja otimista, seja esperançosa! Otimismo é acreditar que vai dar certo, esperança é agir para dar certo. Não espere cair do céu, o sonho é seu.

Como eu sempre digo, fingir que não está acontecendo ou não fazer nada a respeito só agrava o problema. Então pare, analise e busque motivação.
“Independente do que está sentindo, levante-se, vista-se e saia para brilhar.” Paulo Coelho

Sucesso a todos!

Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora

Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.
Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.
Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.
Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no https://www.instagram.com/lunnadiasmais
Para informações sobre o meu curso online acesse http://lunnadias.com.br/





 

11/03/21 15:43 | Atualizado em: 11/03/21 15:43

MERCADO E TENDÊNCIAS

Você não precisa trabalhar mais, você precisa trabalhar de forma ORGANIZADA!


Um dia desse uma mentorada me apresentou as metas dela e tinha escrito “lazer”. Pensei, nossa que bacana ela tem como meta ter mais períodos de lazer e a elogiei. Para minha surpresa a meta era “não ter lazer” para conseguir fazer tudo que ela tinha que fazer. Como não vejo mais (fica aqui esse parêntese) com bons olhos a sobrecarga de trabalho como uma vantagem, quis entender melhor o que estava acontecendo. E por favor, vamos parar de glamourizar o "estar ocupado e sobrecarregado" como algo normal!

O fato é que, não somente nesse caso específico, mas na grande maioria das vezes a solução do problema de quem está sobrecarregado de atividades não é uma FERRAMENTA de organização melhor, não é TRABALHAR MAIS, mas sim, trabalhar a liderança de si através do autoconhecimento (só assim a pessoa vai conseguir ser produtiva, ora bolas). Pensa comigo, de nada adianta a melhor ferramenta de organização se o primeiro ser humano que te pede algo que não é seu, você diz sim, porque não consegue dizer não. Vai tudo por água abaixo. Concorda?

Há alguns anos eu fiz uma mudança no meu treinamento Liderança Lucrativa justamente por isso. Eu focava nas melhores ferramentas, mas não aprofundava no que mais prejudica uma pessoa: SEUS PRÓPRIOS PENSAMENTOS. Lembrando que muitos pensamentos de uma pessoa já são padrões que determinam a ação (pensamento gera sentimento que gera comportamento que gera um resultado) então fica mais claro que o trabalho precisa ser mais profundo.

Minha mentorada assim como muitas outras pessoas sofria de “laços abertos” (conceito que emprestei do David Allen). Laços abertos são preocupações com coisas nem sempre reais, cansaço, necessidade de atingir uma perfeição, boletos atrasados, culpa pelos filhos enquanto trabalha, etc. Na hora de produzir pessoas que estão cheias de laços abertos, simplesmente não conseguem produzir, gastam mais tempo, sofrem e não terminam. E começa tudo de novo no dia seguinte.

Bora lá! Se você chegou até aqui então fique atenta COMO TRABALHAR MENOS e ainda faturar mais, vamos trabalhar de forma organizada:

1-Permita-se um STOP (Dê um passo para trás, pense, organize e aí sim, prossiga). Já falei por aqui tire um tempo totalmente livre para pensar em tudo que está acontecendo. Pense na forma como você tem sabotado, o que você gosta de fazer e o que não gosta, o que você precisa fazer e o que não precisa, COMO VOCÊ PODE PARAR DE SOFRER. Anote tudo!

2-Comece agora com a ação do que você registrou. Faça um mutirão para resolver todos os seus PROBLEMAS e encerrar todas as suas PREOCUPAÇÕES (a diferença entre eles é que problemas são reais e preocupações são apenas preocupações, você nem sabe se elas vão acontecer).

3-Agora sim, vem as ferramentas de organização e produtividade. Escolha as que são fáceis porque senão semana que vem você já desistiu. Aproveite este momento para estabelecer indicadores e metas para o que você faz (pode ser faturamento, quantidade de clientes novos adquiridos no período, etc).

4-Use o tempo livre para INOVAR. Se você chegou até aqui é provável que agora tenha tempo livre. Aproveite-o com sabedoria. Estude tendências para sair na frente e conquistar mais clientes. Busque formas de surpreender seus clientes atuais. E invista nas redes sociais. Como seu negócio pode faturar mais sem depender tanto de você? É exatamente aqui com mente tranquila que você vai ser capaz de responder a esta pergunta.

Como eu já falei aqui algumas vezes: trabalhar muito nas atividades erradas só vai fazer você perder tempo, ficar estressado e sem nenhum dinheiro a mais. Você precisa focar naquilo que realmente importa para seu negócio escalar e, claro, aproveitar o que a vida tem de melhor. A vida não é só trabalho.

“Não perca a vida apenas tentando ganhá-la” Autor desconhecido.


Sucesso a todos!

Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora

Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.
Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.
Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.
Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no Instagram @lunnadiasmais.
Para informações sobre os meu cursos acesse http://lunnadias.com.br/

 

05/03/21 17:00 | Atualizado em: 05/03/21 17:00

MERCADO E TENDÊNCIAS

Como deixei de ser tímida: como você pode deixar de ser também!


Esses dias eu estava conversando sobre redes sociais com uma pessoa e ela me disse que tinha muita vergonha de aparecer para vender os produtos da loja dela, mas que agora conseguia fazer stories, mas gravava uns 10 até achar o "perfeito" para postar. Eu vou te falar que eu fiquei indignada rsrsrs. E, principalmente, porque não é a primeira vez que uma mulher me diz isso. Gente, como assim, você precisa gravar 10 vezes, sério! É surreal! O problema é outro e ninguém merece perder tanto tempo assim. Eu fiquei indignada, pois se eu tivesse que gravar tantas vezes antes de postar eu não estaria nas redes sociais. E imagina quantas pessoas por aí são incríveis, mas perdem oportunidades simplesmente por esse medo? E foi assim que eu decidi falar sobre isso nesse artigo.

Primeiramente, precisamos deixar bem claro que existe uma diferença entre timidez e introversão.
As pessoas tímidas, querem muito fazer algo, mas não fazem por medo do julgamento ou críticas de outras pessoas, por insegurança, por sentimento de inadequação, whatever. Já as pessoas introvertidas não tem vontade/necessidade de se expor e até escolhem profissões que a necessidade de fazer isso é pequena. São aquelas pessoas que preferem atividades solitárias, E TÁ TUDO BEM! Só para reforçar o contrário do introvertido é o extrovertido, aquelas pessoas super sociáveis que precisam estar sempre cercadas de pessoas e se energizam com isso. Podemos pensar na introversão e na extroversão como uma escala. Nesse caso, eu era tímida e um pouco introvertida, não muito (prefiro sair com 2 amigas do que com 5, fato). O fato é que escolhi ser psicóloga e trabalhar em empresas, onde falar em público é pré-requisito, então tive que fazer alguma coisa a respeito da minha timidez.

Durante o período da faculdade eu percebia que eu preferia não me expor, a não ser quando o grupo era pequeno e CONHECIDO. Comecei então a analisar as razões da minha timidez, pois eu já ia começar a perder oportunidades. Nessa época li uma frase que me impactou ainda mais a refletir sobre isso: “Sua vida se expande na proporção da sua coragem”. E aí o dia de perder a primeira oportunidade estava chegando: o TCC. Todos os professores me conheciam desde o início e de certa forma entendiam meu jeito, mas o professor que eu queria que me orientasse tinha acabado de chegar na faculdade. Meo deos! Ele, então, virou assunto de terapia pela minha falta de coragem de abordá-lo e falar do assunto. A primeira abordagem no corredor foi um fiasco e eu mal falei “oi”kkkk. Fui para casa arrasada, quando veio aquele pensamento sabotador da zona de conforto: ah, mas porque precisa ser ele? Mesmo com minha timidez eu sempre quis me desafiar e não aceitei esse pensamento. Pensa bem: eu ia deixar de fazer o tema que eu queria só por medo de falar com uma pessoa? Não mesmo! Falei com ele e ele aceitou, nada demais, porque tudo que estava acontecendo SÓ ESTAVA ACONTECENDO NA MINHA CABEÇA.

O momento me ajudou a entender porque eu era tímida. Eu quase nunca expressava minha opinião e quando expressava as pessoas ficavam chocadas, literalmente. Isso acontecia de verdade. A falta de maturidade não me permitia entender que nem todas as verdades são para todos os ouvidos e que, realmente, até hoje eu penso bem diferente do meu círculo sobre alguns assuntos. Mas demorou anos para eu entender que eu não estava errada por isso. Eu só precisava entender para quem eu poderia falar o quê. Autoconhecimento é vida e quando alguém me pergunta sobre um assunto eu digo bem plena: acho que você não está preparada para ouvir o que eu penso sobre kkkk (está um pouco horrível ainda, mas é o que temos até agora). Isso porque muitas pessoas das quais você não tem intimidade querem saber assuntos sobre a sua individualidade. Esse sentimento que eu tinha de inadequação ainda não passou, eu apenas sei lidar com ele e sei valorizar a minha inadequação, acredite, ele já me trouxe vantagens.

COMO SUPERAR A TIMIDEZ

Relembrando minha história eu separei 6 coisas que fiz que me ajudaram a superar (o resultado você pode ver nas minhas redes sociais, não tem quem diga que já fui tímida kkk):

1-Entender se você é tímida ou introvertida. Se for introvertida, ok. Mas se deixa de fazer coisas que tem vontade por alguma razão, então siga em frente na leitura.

2-Descobrir as razões da sua timidez. Como contei a minha timidez era pelo sentimento de inadequação. Mas existem outras razões, qual é a sua: medo do julgamento das pessoas? medo das críticas? insegurança quanto ao seu trabalho? Você precisa encontrar verdadeiramente a razão, pois do contrário você não vai conseguir resolver. Não se engane.

3-Aceitar-se! Eu me aceitei com meus pensamentos diferentes e já até consigo valoriza-los. Eu não quero contrariar, mas infelizmente eu não sou feliz de outro jeito. Eu sei que tem pessoas que se sentem inseguras em fazer algo que ninguém está fazendo, mas eu ao contrário disso, sinto que estou no caminho certo. É clichê demais, mas não existe outra pessoa no mundo igual a você e é justamente por isso que você vai ter sucesso. Se aceite e se ame.

4-Se desafiar! Eu fiz aproximações sucessivas com o professor, esperando no corredor, mesmo que algumas vezes não tenha conseguido falar. Você não precisa aparecer amanhã falando do seus serviços nas redes sociais. Grave um vídeo com a sua voz, mas mostrando seu local de trabalho. Depois grave mostrado a tela do computador e falando algo. Daqui a pouco você faz uma chamada curta para algo e dali a pouco estará fazendo vídeos. Não dá pra amanhã já fazer 1 live de 1 hora. Mas não deixe de se desafiar a fazer um pouquinho mais do que consegue.

5-Pare de se preocupar com as pessoas! Quem não te ama, não te interessa! Você sabia que está aí preocupada com a opinião de pessoas que não te amam e que não vão falar com você por mais de 5 minutos? Nesses anos aqui nas redes, pouquíssimas pessoas me criticaram diretamente (não estou contando com as que falam da minha voz, porque minha voz foi Deus que me deu e eu não tenho como mudar kkkk). Mas sim, as pessoas me criticam para quem me conhece. Sabe, o que faço? Quero nem saber e você também deve fazer o mesmo.

6-Você nunca vai ser perfeita (ninguém é, mas isso não impede que você busque a excelência)! Eu sei que essa dói um pouco, porque nós mulheres que fomos boas alunas queremos repetir esse comportamento na vida adulta, mas ele simplesmente não nos ajuda. Feito é melhor que perfeito, o que não quer dizer mal feito (eu já disse por aqui). Não espere ficar perfeito para começar algo, se já tiver nota 8 já coloca para rodar e vai fazendo melhorias no caminho.

Agora, me diga uma coisa: Você quer ver a vida passar não fazendo o que você gosta, por causa das críticas de pessoas que nem te amam e que você nem tem certeza do que elas pensam?
Sabia que tem pessoas precisando dos seus produtos, serviços ou do conhecimento que só você tem? E que por conta do seu ego você não está ajudando essas pessoas?
Se eu tivesse dado voz a minha timidez você não estava aqui lendo esse artigo.

Pense nisso!
“Mas eu desconfio que a única pessoa livre, realmente livre, é a que não tem medo do ridículo”. Luís Fernando Veríssimo

Sucesso a todos!

Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora
Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.
Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.
Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.
Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no Instagram e baixar meus ebooks no canal Telegram.

 

03/03/21 10:33 | Atualizado em: 03/03/21 10:33

MERCADO E TENDÊNCIAS

Como falar tudo que você precisa de uma forma que jamais imaginou!


Quero relembrar que o título diz que é tudo que você precisa e não tudo que você quer. A forma que você jamais imaginou é simples, sem mistérios e firulas. Esclarecido isso, vamos lá! Ao longos dos anos e dos trabalhos que fiz em diversas empresa percebi que o sintoma/queixa eram problemas de relacionamento na equipe ou problemas nos processos que não estavam girando como deviam. E foi aí que eu descobri que a causa era sempre a comunicação e decidi estuda-la a fundo dentro das organizações.

O que eu percebo, e você vai se identificar, é que boa parte das pessoas evita conflitos, confrontos e preferem não falar o que PRECISA ser falado.

 Mas antes de qualquer coisa, o que é que PRECISA ser falado? Qualquer comportamento que a pessoa tenha que afete ou os relacionamentos ou os processos dentro da empresa. FIM!

Saiba que não querer falar não e sobre o outro, é sobre VOCÊ! Sim, é você que está com receio de desagradar e que não quer se sentir desconfortável. Se você é líder de um time, devo lhe dizer que isso é inadmissível! Já vi líderes que “esperam a pessoa se tocar” “dão indiretas” “colocam a pessoa na geladeira”. Não falar algo apenas para você não se sentir mal é desonesto. O seu liderado precisa saber por você como ele pode se desempenhar melhor e atingir os resultados que a empresa espera. O que é óbvio para você pode não ser óbvio para ele.

Dada esta introdução quero te relembrar que comunicação não é apenas “transmitir uma informação” é muito mais que isso “é a arte de ser entendido”. Lembrando que as pessoas lembrarão não só do que você disse, mas de como você fez elas se sentirem. Por isso, atenção ao tom de voz, postura e, claro, medindo as palavras. Pense sempre no seu objetivo naquela conversa: resultados/processos ou relacionamentos?

Vamos a algumas observações que podem ajudar você no planejamento dessas conversas:

Comece por você! Tenha inteligência emocional (que é a capacidade de reconhecer as próprias emoções e lidar com elas e fazer o mesmo com os outros). Assim você terá discernimento para saber o que e seu e o que é do outro, além de diferenciar o que é FATO do que é apenas sua PERCEPÇÃO. Não menospreze esse passo, pois ele vai te livrar de inúmeros problemas e conversas desnecessárias.

Adapte sua comunicação ao outro. O tempo de falar da mesma forma com todos it's over. Você precisa saber qual o perfil comportamental de cada pessoa com quem você se relaciona e assim se comunicar de acordo. Há pessoas que valorizam os resultados, outros as ideias, outros os relacionamento e outros as tarefas, foque no que importa para ele e terá muito mais resultados. Imagina você explicando os números do projeto para alguém que se importa com o impacto disso nas pessoas?

3. Faça perguntas abertas ao invés de afirmações. Perguntas abertas são aquelas em que a resposta não é sim e nem não, a pessoa precisará pensar um pouco mais para responder. Desse modo, você consegue entender mais do que ela pensa e sente. Um sim ou um não não dizem nada de fato. O que você pensa sobre o que acabei de te falar? Mil possibilidades de resposta.

4. Tenha Empatia! Tenha mesmo no imperativo. Nos relacionamentos entender porquê o outro pensa, sente ou age assim facilita as coisas. Empatia não é sobre concordar com o outro e sim sobre entender porque ela age assim. Você não faria assim? Hum! Será que é porque você viveu/vive outra realidade? Teve outra criação? Experienciou outras coisas? Você terá melhores relacionamentos a partir disso.

5. Faça contatos positivos. Nunca comece uma conversa para que o outro saia mal dela, se não nem comece. O seu objetivo deve ser o crescimento do outro, se não nem converse.

6. Seja ético. Quando as pessoas a sua volta entenderem que você está sempre em missão de paz, de desenvolvimento do outro, não haverão mal entendidos.

Quando eu vou fazer uma palestra eu planejo o que vou falar lá por dias. Eu faço o mesmo com conversas que preciso ter mesmo que seja por telefone. Planejamento ajuda a evitar e enfrentar as surpresas da conversa.

A conversa pode não dar certo mesmo com todas essas observações? Sinto lhe informar que há essa possibilidade (pois existem seres chamados cavaleiros do apocalipse, assunto para um artigo inteiro). A boa notícia é que você poderá dormir em paz, POIS FEZ SUA PARTE!

Quando você melhora sua comunicação, você melhora seus resultados!

Sucesso a todos!

Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora
Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.
Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.
Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.
Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no Instagram @lunnadiasmais.


 

23/02/21 08:39 | Atualizado em: 23/02/21 08:39

MERCADO E TENDÊNCIAS

Como ser mais produtiva num passe de mágica!



Eu sabia que o título ia te trazer até aqui, pois hoje em dia a internet está cheia de “hackezinhos” de produtividade, mas você não vai encontra-los aqui. Sorry! Mas confia em mim.

"Acorde 5h da manhã corra, medite, leia - eles dizem! e quando começar a trabalhar esteja morta de cansada - eu te garanto”.

Tenho conversado com muita pessoas ultimamente com essa falsa, sim falsa, ilusão de produtividade fazendo mil coisas ao mesmo tempo e só acumulando lixo mental. Desculpe o termo. Por que penso assim? Porque ao invés de focar em ferramentas que realmente vão ajudar na organização e produtividade das atividades certas, vejo as pessoas focando nas atividades que não vão levar a lugar algum no objetivo delas. Isso quando elas têm sequer um objetivo.

Ainda existem as pessoas que “são cheias de ideias” se orgulham disso, mas você não vê nada acontecendo. Procrastinam dia após dia a dia a realização dos sonhos que elas dizem que as movem.

Em qualquer um dos casos as coisas não acontecem: EXECUTAM SEM SABER O QUE ESTÃO FAZENDO OU PLANEJAM DEMAIS E NÃO EXECUTAM NUNCA.

Você sabe por que fica ocupado com coisas aleatórias? Provavelmente, para se sentir produtivo. Você sabe por que procrastina? Provavelmente, por medo de fracassar (afinal, sem ação não tem resultado nem bom e nem ruim).

Mas eu te pergunto:

“Você quer chegar ao final da vida exausto e sem resultado?”

"Você quer chegar ao final da vida cheio de coisas começadas, mas nenhuma terminada?”
Com certeza, não!

O que você precisa fazer então? Você precisa fazer o que funciona para você, pois pode ser que ser do clube das 5am pode fazer bem para você (para mim eu já sei que não funciona, fico horrorosa de mau humor). Mas claro você não está aqui para me ouvir falar isso então vou compartilhar com você o que funcionou para mim, ok?

Há alguns anos eu descobri que visualizar minhas atividades, num quadro, papel, tela de computador whatever me ajudava a medir o que eu precisava fazer e depois o que eu tinha feito. É o tipo: para onde estou indo e como sei que estou chegando? Meu mapa. Em seguida eu também conheci o David Allen com seu método Getting This Done e vou resumir aqui para você:

1- Registre/anote tudo que você precisa fazer. Tudo mesmo! (pessoal, profissional, amoroso, financeiro, não se acanhe, coloque todas as suas pendências).

2- Agora você vai separar aquilo que é informação só para armazenar (senhas, livros, ideias, por exemplo) e as que necessitam de uma ação.

3-Nas coisas que demandam ação, verifique aquelas que você pode fazer em até 2 minutos (Mensagem de aniversário, resposta de um email simples, assinatura de um documento, etc). Isso mesmo! Faça agora! Corre!

4-Quais dessas coisas você pode DELEGAR? Pensa da seguinte forma, quem pode fazer MELHOR do que você e ainda MAIS BARATO do que você? (Para isso, você precisa saber quanto vale a sua hora!). Delega e não se apega. Sua economia está sendo burra e tira o ego da parada.

5-Tem algo para 23/11/2021? Agende agora no alarme do celular para não esquecer. Sua mente não foi feita pra registrar e sim para criar.

6-Pronto! Sobrou uma lista de coisas para você fazer e você vai distribui-la na sua agenda do dia, semana… e simplesmente FAÇA!
Não é para fazer isso somente hoje, é CONSTANTE! Planeje sua semana e tenha boa parte das coisas sob controle. Eu te garanto que você vai se sentir melhor. Antes eu trabalhava 12 horas por dia, hoje eu trabalho metade disso, sou muito mais produtiva, durmo quase 10 horas por noite, maratona séries e livros e minha mente é como água (tranquila, tranquila), como diria o David Allen.

Eu desejo que sua jornada seja assim também. Sempre se pergunte: Por que estou fazendo isso? Preciso realmente fazer?
Sucesso a todos!

Publicado originalmente em https://lunnadias.wordpress.com/

Sobre a autora
Sou Psicóloga, Especialista em Liderança e com certificação para transformar Educação em Resultados para o negócio.
Empreendedora há 14 anos atendendo empresas de diversos segmentos (comércio, agronegócio, indústria) com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, Mentorias para PMEs, além de implantação de processos de gestão de pessoas.
Já escrevi 1 livro sobre carreira e 4 ebooks sobre negócios e 400 líderes tiveram suas vidas profissionais mais produtivas, lucrativas e com mais tempo livre através dos meus treinamentos.
Você pode acompanhar minha rotina e meus vídeos no Instagram e baixar meus ebooks no canal Telegram.
Para informações sobre o meus curso online acesse este link
 

18/02/21 15:24 | Atualizado em: 18/02/21 15:24

MERCADO E TENDÊNCIAS

Mulher, vai chorar ou vender lenços?


Antes de qualquer coisa, preciso que você saiba que eu já fui a pessoa que chorava ao invés de vender os lenços. Na época em que aconteceu a virada de chave eu comecei a perceber que quanto mais eu chorava, mais vítima eu me sentia e menos vontade de agir eu tinha. Mais tarde eu descobri que falar sobre algo que te deixa triste o tempo todo, acaba te deixando mais triste mesmo. E o sentimento de vítima anula completamente o protagonismo. Acabei me tornando obcecada por vender lenços, no caso, resolver problemas. Eu me sentia bem mais feliz e satisfeita com a vida assim.

 Ou você se conforma com o que tem (mesmo que seja ruim) ou você decide ser original, que é fazer o contrário do que todo mundo está fazendo ou faria. E tiveram 3 marcos na minha vida que mostram claramente para mim, e vou mostrar para você agora, como é muito melhor ser original e vender lenços. Há alguns anos eu tinha um emprego em que eu ganhava muito bem e tinha benefícios incríveis para a época e para a minha idade. Mas lá no fundo eu não tinha tanta certeza assim se esse era o emprego que eu tanto queria. Ninguém entendia na época porque não comprava um carro. A razão era simples, eu não tinha nenhuma dívida e para que eu faria uma que me deixaria presa a um emprego que eu não queria tanto assim? Mesmo contrariando a todos eu decidi me lançar em novos desafios já que eu não estava feliz naquele lugar e, por isso, estou bem aqui escrevendo para você. O segundo marco é que eu me casei aos 33 anos, poderia ter me casado bem antes, não foi por falta de opção hahaha. Mas o fato é que eu sempre imaginava que contos de fada e príncipes encantados existiam sim hahahaha e se eu não tinha isso ainda, então era porque não era a hora de casar. Por que me conformar se eu posso ser original? E foi assim que achei meu príncipe dinamarquês, pois se tivesse me conformado eu não teria me casado com ele e mais um monte de coisas dessa relação que merece um artigo só sobre isso. O último marco mais recente, foi quando em 2019, eu decidi encerrar um serviço da empresa que dava lucro, que praticamente andava sozinho, mas que não me dava nem um pouco de paz. Por que me conformar se posso ousar e conseguir a mesma coisa sem tanto sofrimento? E consegui.

Essas são as minhas experiências que mostram como estou satisfeita com a vida que tenho vivido por escolher o caminho da originalidade. O Michael Housman fez uma pesquisa com pessoas que trabalham com telemarketing (aquele serviço chato rsrsrs) ele queria entender o que fazia uns colaboradores permanecerem mais tempo no emprego do que outros. Ele percebeu que aqueles que ficavam pouco tempo usavam o navegador Internet Explorer e aqueles que ficavam mais tempo costumavam usar Firefox ou Chrome. O que isso tinha a ver com permanecer no emprego? Justamente aqueles que eram capazes de baixar um navegador que fosse mais eficiente para o trabalho (Firefox ou Chrome) ao invés de aceitarem o que já estava lá (Internet Explorer) também faziam isso com outras situações no trabalho e, assim, se sentiam mais satisfeitos, não precisando sair do trabalho. Não eram vítimas dos empregos e, sim, protagonistas.

Quero reforçar que dá trabalho ser original, ir contra a manada e lutar para mudar as coisas. Se destacar dá trabalho, mas você prefere uma vida morna? Com certeza não! Existe SIM uma vida melhor do que a que você vive hoje. Lembre-se: você não vai se arrepender pelas coisas que fez e sim, pelas coisas que deixou de fazer. É assim que quer passar seus últimos dias de vida? Arrependido pelo que poderia ter feito? Não. Então bora vender lenços!

Quero propor 4 passos para você analisar sua jornada:
1-Analise as áreas da sua vida: Existe alguma forma de melhor algo nelas?
2-Quais são os passos para essa melhoria? (Quase que uma receita do bolo) Quais são os prazos para você realiza-las?
3-Cumpra os passos que estabeleceu. Simples assim. E monitore!
4- Aproveite o caminho, não espere chegar lá para se divertir!
Se conformar é muito mais fácil do que escolher o caminho da originalidade. Mas eu te garanto que os resultados são muito melhores e satisfação com a vida também. Vem vender lenços!

“Os espíritos elevados sempre enfrentaram oposição em mentes medíocres” Albert Einstein.

 

11/02/21 12:24 | Atualizado em: 11/02/21 12:24

MERCADO E TENDÊNCIAS

Nenhum CNPJ vale um AVC!


 E vou te provar! Você está trabalhando muito para conseguir sucesso e está até um pouco estressado. Mas até o momento, você está considerando isso normal, porque na nossa sociedade sucesso é sinônimo de sofrimento. A palavra trabalho vem de tripalium que era um instrumento de tortura. Se você não está sofrendo então não está ganhando: no pain no gain, não é mesmo?

 Pessoas contam com orgulho que não tiram folga e que nunca têm férias. Por muitos anos eu fui essa pessoa que achava um ABSURDO quando alguém me falava para descansar. Intimamente, eu pensava: descansar é coisa de sem futuro! Que vergonha de mim. A minha conta chegou cedo, aos 31 anos de idade, quando baterias de exames e sequências de médicos não descobriam o que tinha de errado com meu coração. Um dia, NO MESMO DIA, um senhor médico disse que eu precisava descansar. Quase sai correndo do consultório dele. A outra médica me perguntou: “Quando foi a última vez que você dormiu após o almoço ou assistiu uma sessão da tarde?” Eu pensava que eles só poderiam estar de brincadeira comigo. Me dá um remédio, fica na sua e deixa eu trabalhar, eu pensava. Que vergonha!
 O médico me deu o remédio e o telefone dele, foi aí que eu entendi. Eu estava em busca de algo que eu nem sabia mais o que era. Eu queria chegar primeiro não sei onde. E foi aí que comecei a me questionar. Mas será que compensa perder a sua vida (stress mata!), tentando ganha-la de uma forma que será, mesmo, a mais adequada? Eu cheguei muito cedo no dilema de ter dinheiro, mas não ter tempo e nem saúde. Isso estava errado.

 Não vou dizer que a mudança foi fácil e muito menos rápida. Mas eu consegui entender que não precisava trabalhar mais, precisava trabalhar de uma forma mais organizada. Como boa solucionadora de problemas, eu não queria perder aquele conforto, mas também não queria morrer jovem. E isso se tornou minha causa, pois aquele comportamento que eu vi quando criança e que tanto critiquei se tornou o meu comportamento também. Eu me tornei um adulto chato e estressado.
Eu não tenho filhos, mas já fui criança e quero te perguntar uma coisa: compensa mesmo não ver os seus filhos crescerem? Uma pesquisa do Graduate School of Social Work Boston College mostrou que as crianças se sentem melhor com pais que trabalham a noite em um emprego que gostam, do que com pais que trabalham menos, mas chegam em casa insatisfeitos. Aquele momento em que seu corpo está lá, mas sua mente está nos problemas, lembra? Essa é minha causa. Não troque o que é mais importante na sua vida, por um trabalho que poderia ser feito em menos tempo se você estivesse organizado. A conta chega.

A prova científica é que nos momentos em que você está em família e amigos seu corpo produz ocitocina, que provoca além de sensações de bem estar, segurança e pertencimento. Todos essas sensações são fundamentais para que você enfrente os problemas do dia a dia. Está vendo como uma coisa ajuda a outra? E no dia do meu aniversário de 32 anos eu fui aproveitar a piscina que estava lá há anos, mas eu não tinha tempo. E foi nesse dia que eu entendi que a vida é feita de pequenos momentos e não de um momento de sucesso que um dia vai chegar. O sucesso está nas pequenas coisas.

Sucesso a todos!
 

26/01/21 15:29 | Atualizado em: 26/01/21 15:29

MERCADO E TENDÊNCIAS

Você tem a síndrome da boa aluna?


 Veja se você já teve algum desses pensamentos: “Se não consegue fazer com perfeição, então nem faça!” “Odeio erros”.“O certo é certo e o errado é errado. Eu sei o jeito certo”. “Só eu consigo fazer, ninguém mais consegue”. Esses são alguns pensamentos que a síndrome da boa aluna causa. Os pensamentos são sempre justificados como perfeccionismo, organização e exigência, além de uma incansável necessidade de agradar (como fazíamos com nossos pais e professores). "Eu ainda não estou pronta e vou fazer só mais um curso pra me ficar pronta", o problema é que essa hora nunca chega. Entretanto, a análise que quero fazer aqui hoje é um pouco mais profunda. Muitas vezes com a justificativa de que se não é pra ser perfeito é melhor nem fazer, o resultado é a procrastinação ou o não fazer.
 
Para você entender como funciona, por duas vezes eu disse a frase Feito é melhor que perfeito! em minhas redes sociais e algumas mulheres me enviaram mensagens dizendo que tínhamos que ser perfeitas, sim! Oi? "Mulheres precisam dar conta de tudo, Lunna” uma delas me disse. Eu sei que ela estava apenas reproduzindo um padrão imposto a nós e que não, necessariamente, é verdade absoluta. Foi então que eu mudei a frase para "Feito é melhor que perfeito, o que não quer dizer mal feito!”. Se você não vai fazer só porquê não vai ficar nota 10, mas consegue fazer nota 8, por que não fazer? A questão é que o perfeccionismo esconde uma profunda insegurança, pois não fazendo eu evito a possibilidade de errar, fracassar. Assim, também evito o julgamento das pessoas que avaliarão meu projeto como 8 e não como 10. E outro fato que comecei a observar que as pessoas que mais tinham medo do julgamento eram as que mais tinham necessidade de julgar o tempo todo. Nós seres humanos estamos sempre julgando claro, mas aquelas pessoas que ficam indignadas porquê tem alguém fazendo e não está perfeito, geralmente não estão fazendo nada. Eu só lembro de uma frase de Jobs: “Muitas coisas que você vê no mundo foram feitas por pessoas menos espertas que você, mas que simplesmente decidiram fazer”.
 E mais uma vez, longe de mim estar fazendo aqui apologia a trabalhos mal feitos, pelo contrário, prezo sim pela busca da perfeição, mas jamais deixo que ela impeça minha ação. Já lancei coisas que não estavam 100%, e tá tudo bem, fui aprimorando no caminho.

Listei aqui 5 passos que te ajudarão a superar a síndrome da boa aluna:
1- Se desapegue do erro e, até, sorria dele. Errou tá errado e não se erra mais nisso!
2- Faça uma planejamento mínimo que te dê segurança para lidar com imprevistos. Impossível planejar tudo, mas também não faça sem planejar.
3-Se precisar delegar para alguém: ensine, treine, desenhe! Saiba que existe um tempo de aprendizado, assim como você teve o seu. E claro, a pessoa dificilmente começará fazendo nota 10, mas se estiver nota 8, ela já está pronta.
4-Use ferramentas de organização, planejamento e gestão do tempo, assim você evita a procrastinação.
5- Use pesquisas de satisfação. Eu sou obcecada por feedbacks e estou sempre solicitando aos clientes, pois só assim eu posso de fato melhorar. Na próxima vez eu já faço com as sugestões que me deram.

Por fim, gostaria de dizer que já somos muito cobradas enquanto mulheres, mas que não sejamos mais uma dessas pessoas que nos fará cobranças surreais.

Sucesso a todas!