Publicidade
Publicidade

MENINGITE

Saúde chama atenção para sinais e sintomas da meningite

20/04/17 17:05 | Atualizado em: 20/04/17 17:27

Valdo França
O Dia Nacional de Combate à Meningite, lembrado nesta segunda feira, 24, visa alertar a sociedade sobre os sinais e os sintomas da meningite, orientar sobre a procura imediata do serviço de saúde, quando há a suspeita da doença, e mobilizar profissionais de saúde quanto ao monitoramento da situação epidemiológica das meningites no Estado.

A Secretaria de Estado da Saúde, por meio da área de Assessoramento das Meningites, vem intensificando as ações de combate à doença, orientando a população quanto aos sinais e aos sintomas. “No Tocantins, não identificamos nenhum surto nos últimos cinco anos. No entanto, existem casos isolados em algumas regiões do Estado. No período de inverno, as incidências maiores são as meningites bacterianas e, no verão, as meningites virais”, informou a assessora técnica da Área da Meningite, Aurystela Dhamblea, acrescentando que, no ano passado, foram notificados 187 casos e confirmados 68. Em 2017, foram 54 casos notificados e 12 confirmados.


A Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta que, em decorrência da severidade da doença, aproximadamente 5 a 10% das pessoas que contraem a doença meningocócica e recebem tratamento antibiótico adequado, evoluem a óbito. Sem tratamento, a taxa de mortalidade atinge 70 a 90% dos casos.



Meningite A meningite é uma doença que consiste na inflamação das meninges, membranas que envolvem o encéfalo e a medula espinhal. Pode ser causada, principalmente por vírus ou bactérias. O quadro das meningites virais é mais leve e seus sintomas se assemelham aos da gripe e do resfriado. Entretanto, a bacteriana é causada principalmente pelos meningococos, pneumococos ou hemófilos – é altamente contagiosa e geralmente grave, sendo a doença meningocócica a mais séria. Quando causada pela Neisseriameningitidis, pode causar inflamação nas meninges, infecção generalizada (meningococcemia) e requer bastante cuidado pela severidade de alguns casos que podem evoluir a óbito ou a danos no cérebro mais grave, deixando sequelas.